sexta-feira, janeiro 21, 2011

uma bobina, duas, bobinas, três bobinas...

desde que fui conquistada pela pequena bobina, que há uma coisa que me tem suscitado uma curiosidade impossível de satisfazer. pelo menos até hoje. sempre tive uma pena inexplicável de não ter conhecido a bobina em cachorro. não poder saber como era esta pequenita quando nasceu. mais, não poder vir a saber como seriam as bobininhas, caso esta madame fosse mãe.

esta noite, sem que nada o explique, sonhei que a bobina tinha sido mãe de duas linda bobininhas. uma, seguindo as tendências da moda, saiu assim para o cinza mesclado (felizmente, nenhuma saiu em tons de roxo, livra!) e a outra, seguindo as tendências da mãe, completamente loira. as duas pequeninas, lindas, simpáticas e tão doces, tão doces, tão doces como a mãe bobina.

não tive oportunidade de assistir ao parto. de resto, no sonho não houve parto nem falta dele. estavam apenas as três tranquilas deitadas ao sol. as bobininhas de um lado, e a mãe bobina assim para o afastado, o que me levou a constatar com alguma tristeza no sonho que a bobina era uma daquelas mães-cadelas que rejeitam os filhotes. era ver madame bobina deitada ao sol, com aquele ar altivo com que se mostra a quem quiser ver, de nariz empinado, quando está na hora dos banhos de sol no quintal. lá estava ela, vaidosa, como se não fosse nada com ela.

com uma bobininha em cada mão, e uma bobina a olhar para mim lá ao fundo, lembro-me de me ter deparado com apenas um dilema em relação a toda a novidade. claro está que assumi que em vez de quatro patinhas, a partir daquele momento passariam a cirandar cá por casa 12 patinhas. até aqui tudo bem. óbvio. o problema é que tinha duas cadelas para batizar, e só uma podia ser a bobininha. e a outra? hummm?

este sonho vai direitinho para a família gamma que terá certamente nos próximos tempos muitos sonhos felizes com o pequenito kit, que ontem se despediu de nós.

1 comentário:

lisabel disse...

Oh Mary, muito obrigada : )) São muito boas as recordações que guardo do nosso pequenito. Mas ultimamente ele já estava a sofrer tanto, tanto, que enfim... a partida parece menos súbita e dolorosa.

Quanto à Bobina consigo imaginá-la muito bem enquanto cachorrinha! Devia ser amorosa, tal como hoje <3 E nervosa, eheh.